Banner Ofertas


Banner Amazon

06/01/2024 15:44:13

10 Livros Proibidos pela Ditadura Militar no Brasil entre 1964 a 1985

Conheça nossa seleção dos livros classificados pela ditadura militar como: "subversivos", "perigosos" ou "imorais".

10 Livros Proibidos pela Ditadura Militar no Brasil entre 1964 a 1985 Os autores e livros censurados ou proibidos na ditadura militar do Brasil (1964-1985) eram considerados pelo regime como "subversivos", "perigosos" ou "imorais" ao sistema político estabelecido ou ao que chamavam, inclusive no Decreto-Lei n.1.077/70, de "moral e bons costumes". Eram proibidas tanto a publicação quanto a circulação dos volumes. Além de autores e livros estrangeiros, sobretudo os de temática social e política, cerca de 140 livros de autores brasileiros foram oficialmente vetados pelo Estado durante o período. Entre eles, constam os nomes de Érico Veríssimo, Jorge Amado, Darcy Ribeiro, Rubem Fonseca, Caio Prado Júnior, Celso Furtado, Ignácio de Loyola Brandão, Dalton Trevisan, Maria da Conceição Tavares, Olympio Mourão Filho, entre outros, de todos os gêneros possíveis: livros de não-ficção das mais diversas áreas (saúde, economia, política, sociedade), romances, contos, poesia, teatro em livro.

1

Feliz Ano Novo

Feliz ano novo, lançado em 1975, teve sua publicação e circulação proibidas em todo o território nacional um ano mais tarde, sendo recolhido pelo Departamento de Polícia Federal, sob a alegação de conter 'matéria contrária à moral e aos bons costumes'. O regime autoritário, que tentava à força encobrir os problemas que compunham a face negra do país, não suportou a linguagem dessa coleção de contos que podem traduzir ficcionalmente a verdadeira fratura exposta do corpo social.

Ver Ofertas Ver Comentários

Feliz Ano Novo

2

Capitães da areia

Desde o seu lançamento, em 1937, Capitães da Areia causou escândalo: inúmeros exemplares do livro foram queimados em praça pública, por determinação do Estado Novo. Ao longo de sete décadas a narrativa não perdeu viço nem atualidade, pelo contrário: a vida urbana dos meninos pobres e infratores ganhou contornos trágicos e urgentes. Várias gerações de brasileiros sofreram o impacto e a sedução desses meninos que moram num trapiche abandonado no areal do cais de Salvador, vivendo à margem das convenções sociais. Verdadeiro romance de formação, o livro nos torna íntimos de suas pequenas criaturas, cada uma delas com suas carências e suas ambições: do líder Pedro Bala ao religioso Pirulito, do ressentido e cruel Sem-Pernas ao aprendiz de cafetão Gato, do sensato Professor ao rústico sertanejo Volta Seca. Com a força envolvente da sua prosa, Jorge Amado nos aproxima desses garotos e nos contagia com seu intenso desejo de liberdade.

Ver Ofertas Ver Comentários

Capitães da areia

3

O casamento

O casamento, única obra de Nelson Rodrigues escrita originalmente como romance, foi também o primeiro livro a ser censurado num Brasil sob a ditadura militar, em 1966. O governo viu um ataque à sagrada instituição da família brasileira onde, na verdade, o que havia era um retrato fiel de uma sociedade em franca decadência, como mostram os textos de apoio que Bárbara Paz e Paulo Werneck escreveram para esta edição. Por trás dos personagens desta história ― um ilibado pai de família de classe média alta, jovens descobrindo a vida, mulheres honestas e castas ―, escondem-se desejos e tragédias desmesuradas, além de eventos que eles gostariam de ver perdidos no tempo, mas que voltam para cobrar a conta. Toda intenção politicamente correta numa realidade urbana à beira do abismo é demolida pela pena de Nelson, que lança luz sobre uma hipocrisia que nossa vista, por si mesma, é incapaz de alcançar.

Ver Ofertas Ver Comentários

O casamento

4

Zero

Estamos diante de um livro que assombrou o Brasil durante a ditadura e continua fascinando as novas gerações pela ousadia e pelas inovações. Para dar uma dimensão de tal impacto, nada melhor do que a palavra de Armindo Blanco, jornalista e crítico de semana, que combateu Salazar, teve de se exilar e aqui morreu: "Espantoso romance. Às vezes, dá a impressão de uma reportagem crua, despojada. Outras, de um filme correndo à velocidade de um milhão de imagens por segundo. Ignácio de Loyola Brandão supera o âmbito do individual para nos dar o retrato de corpo inteiro de uma cidade. De um parque industrial. De um caldeirão fervente de raças. De um país. De um continente. Melhor ainda: de um tempo desvairado, com os homens se transmudando em ratos e perdendo o sentido da própria existência. Ele nos transmite repulsa e fascínio por esse universo selvagem, dominado pelo dinheiro e pela solidão e em que mesmo o amor é uma proposta de aniquilação mútua, a fuga à abjeção. A ordem na desordem, a desordem das palavras".

Ver Ofertas Ver Comentários

Zero

5

A Revolução Brasileira

A teoria da revolução, para ser algo de efetivamente prático na condução dos fatos, será simplesmente - mas não simplisticamente - a interpretação da conjuntura presente e do processo histórico de que resulta. Processo esse que na sua projeção futura dará cabal resposta às questões pendentes. É nisso que consiste fundamentalmente o método dialético. Método de interpretação, e não receituário de fatos, dogma, enquadramento da evolução histórica dentro de esquemas abstratos preestabelecidos.

Ver Ofertas Ver Comentários

A Revolução Brasileira

6

A Mulher na Construção do Futuro

Nos primeiros um milhão e meio de anos de História da humanidade, as mulheres eram o gênero predominante. Por isso, não havia guerras e a natureza era tratada como fonte de vida. Nos últimos quinhentos mil anos, os homens passam a ser o gênero predominante e os grupos humanos começam a lutar uns com os outros, em busca de mais território e de mais caça. Quando se inicia a História, quatro mil anos atrás, formam-se os primeiros estados e os Impérios da Antiguidade. O poder é atribuição dos homens e as mulheres ficam reduzidas às suas funções de procriadoras no âmbito doméstico. Só nos dias de hoje essa divisão é rompida e o masculino e o feminino passam a ter outras funções. Descubra quais são elas e como esta incrível e fascinante História vem se desenvolvendo ao longo dos milênios.

Ver Ofertas Ver Comentários

A Mulher na Construção do Futuro

7

Dicionario Do Palavrao E Termos Afins

De acordo com o Dicionário Houaiss, palavrão é palavra grosseira e/ou obscena, bocagem, impropriedade, linguarada, obscenidade, pachouchada, palavrada, porcaria, turpilóquio. O 'Dicionário do Palavrão e Termos Afins' apresenta aos brasileiros os palavrões característicos de todas as regiões do País. Ou seja, a obra busca nacionalizar a cultura popular, como por exemplo, levar o palavrão típico do Amazonas ao conhecimento da população do Rio Grande do Sul.

Ver Ofertas Ver Comentários

Dicionario Do Palavrao E Termos Afins

8

Os Condenados Da Terra

Prefácio de Alice Cherki. Prefácio de Jean-Paul Sartre. Posfácio de Mohammed Harbi. Grande clássico do terceiromundismo, obra capital e testamento político de Frantz Fanon, sua análise do traumatismo do colonizado no seio do sistema utópico de um terceiro mundo revolucionário, habitado por um "homem novo", serve ainda hoje de inspiração e referência para gerações de militantes anticolonialistas.

Ver Ofertas Ver Comentários

Os Condenados Da Terra

9

O Relatorio Hite - um Profundo Estudo Sobre a Sexualidade Feminina

A primeira pesquisa realizada por uma mulher sobre mulheres - e o resultado de uma serie de inqueritos com garantia de anonimato das entrevistadas que envolve uma nova teorizacao do orgasmo feminino.Publicado pela primeira vez nos EUA em 1976, o impacto foi tal que o Relatorio Hite e considerado um dos 100 livros fundamentais do seculo XX. A obra e editada em Portugal em 1978 e, recentemente, chegou a China, onde os manuais de Educacao Sexual contem transcricoes e reproducoes parciais sem autorizacao da autora.

Ver Ofertas Ver Comentários

O Relatorio Hite - um Profundo Estudo Sobre a Sexualidade Feminina

10

Em Câmara Lenta

Romance escrito nas cadeias da repressão política, por um ex-militante político, trata da resistência armada ao governo militar brasileiro dos anos 70. O livro é - no dizer do seu autor - uma "reflexão emocionada, porque tenta captar a tensão, o clima, as esperanças imensas, o ódio e o desespero" que marcaram uma tentativa política desesperada e extrema em nosso país. Uma discussão em torno da guerrilha urbana que eclodiu em nosso país entre 1968 e 1973, em torno da militância política dentro das condições dadas pela época.

Ver Ofertas Ver Comentários

Em Câmara Lenta

O Que Observar na Hora de Comprar?

  • Analise os preços das versões impressa e digital do livro, a versão eletrônica em alguns casos pode ser mais econômica.
  • Um mesmo livro pode ter diferentes versões impressas: capa dura, capa comum e edição de bolso com preços diferentes.
  • Se você for um leitor voraz, a assinatura do Kindle Unlimited pode ser um ótimo investimento. Com acesso a milhares de títulos, você pode explorar uma variedade de gêneros e autores sem custos adicionais.
  • Se você gosta de ouvir livros, considere assinar a plataforma de audiobooks Audible. A plataforma oferece milhares de títulos em audiobooks que são trocados por créditos que geralmente mais baratos que o preço de um livro.
  • Leia as avaliações e compare preço do livro em diferentes plataformas. Isso pode oferecer uma visão mais ampla sobre a qualidade e relevância assim como do preço do livro.


Posts relacionados


Posts mais recentes


Mais Pesquisadas


Mais lidas


Categorias


Banner Amazon